quarta-feira, 15 de junho de 2016

A BÍBLIA E O PASTORADO FEMININO – PARTE VI



            Pastoral redigida para o Boletim Dominical da Primeira Igreja Batista em Manoel Corrêa



             Outra justificativa muito usada para o pastorado feminino é o relato de que havia uma juíza em Israel, chamada Débora. Contudo, isso em nada contribui para a argumentação em prol do ministério pastoral feminino. Porquanto, o juiz era uma liderança civil, não religiosa. Esta, desde a revelação no Sinai (Êx 28.1), continuava sendo masculina. Os juízes do antigo Israel estavam muito distantes do moderno conceito de juiz. Ouvir reclamações e tomar decisões legais era um papel exercido, em grande parte, pelos anciãos ou chefes de família. A função dos juízes estava mais ligada à liderança militar. Isto é, tratava-se de uma pessoa escolhida por Deus para expulsar o povo opressor e devolver a paz à terra. A partir daí, podemos concluir que juíza e pastora são atividades diametralmente opostas. Afinal, nenhum pastor exerce liderança militar. Eu hein!
            Quanto à Débora, além de ser juíza, ela era também profetisa. Por conta disso, ela atendia as pessoas ao ar livre, aconselhando-as acerca de questões diversas. Ainda que alguns digam que os demais juízes faziam o mesmo, porém nada é dito a esse respeito. No entanto, mesmo que essa fosse a função de um juiz, não justificaria o ministério pastoral feminino. Até porque, ainda seria uma liderança civil, não religiosa. Isto é, como falamos, a função do juiz estava muito distante da atividade pastoral descrita no Novo Testamento (Atos 20.28).
            Outro exemplo usado para sustentar o pastorado feminino é o de Raquel, a qual, conforme Gênesis 29.9, era “pastora”. Entretanto, na única ocasião em que o termo “pastora” aparece nas Escrituras é para referir-se a alguém que cuidava de animais (ovelhas), e não pessoas. O pior de tudo é que alguns têm a coragem de usar esse texto para defender o ministério pastoral feminino!
            Além dos textos mencionados até aqui, os defensores dessa ideia antibíblica costumam também utilizar as saudações feitas por Paulo em Romanos 16 para sustenta-la. Dizem que ali o apóstolo aponta mulheres que exerciam liderança nas igrejas. Uma delas, de acordo com eles, é “Júnias”, mencionada no versículo 17. Todavia, não há nenhuma comprovação de que “Júnias” seja um nome feminino. Na verdade, se tratava de um nome utilizado tanto para homens quanto para mulheres. Isto é, seria bastante precipitado criar uma doutrina com base em um nome que ninguém sabe se referia a um homem ou uma mulher! Mesmo assim, os adeptos do pastorado feminino continuam usando esse texto, afirmando, inclusive, que Júnias, além de ser mulher, era também apóstola. Isto porque, o texto diz que “Andrônico e Júnias se distinguiram entre os apóstolos”. Contudo, esta declaração pode indicar que Andrônico e Júnias eram tidos em alta conta pelos apóstolos.
Ademais, ainda que os dois fossem apóstolos, é importante lembrar que a palavra “apóstolo”, no Novo Testamento, é usada para outras pessoas além dos Doze, sobretudo para mensageiros e enviados das igrejas, como acontece com Epafrodito (no texto grego) em Filipenses 2.25, e com alguns irmãos em 2Coríntios 8.23 (também no texto grego). Porém, nenhum desses exercia liderança ou “governo” sobre as igrejas. Eles eram apenas emissários daquelas comunidades de fé, ou seja, eram enviados pelas igrejas com um propósito específico. Mas, definitivamente, não eram “pastores”.
O mais impressionante nisso tudo é evidente contradição dos defensores do pastorado feminino, pois, a fim de justificar seu pensamento, descartam textos como 1Co 11, 14.34, 1Tm 2.11-15, mas buscam justificar suas ideias em outros textos que o mesmo Paulo, considerado “machista”, redigiu. É muita contradição! Paulo era machista, produto de uma cultura patriarcal, porém é ele, que, segundo os que advogam essa heresia, fornece os “melhores argumentos” para a ordenação de pastoras. Sinceramente, se seguirmos essa linha, teremos que admitir uma dessas duas coisas: ou a Bíblia se contradiz, ou Paulo era louco. Afinal de contas, como sustentam as “pastoras”, o mesmo indivíduo que diz que a mulher deve ficar em silêncio (1Tm 2.11), “defende” o pastorado feminino em Romanos 16. É... quando não há argumentos, até as saudações viram fundamento para doutrina.

Pr. Cremilson Meirelles 




2 comentários:

  1. Fala Pastor, cara, eu escrevi sobre esse assunto ontem no meu artigo no Facebook. Gostei muito. Esclarecedor. Paz!!!

    ResponderExcluir