segunda-feira, 16 de maio de 2016

A BÍBLIA E O PASTORADO FEMININO - PARTE III

Pastoral redigida para o Boletim Dominical da Primeira Igreja Batista em Manoel Corrêa


            É bem verdade que o assunto tratado por Paulo em 1Timóteo 2.11-15, é resultado de um problema que a igreja de Éfeso estava enfrentando, visto que uma perigosa heresia ameaçava os cristãos efésios. Isto fica bem claro no início da carta (1 Timóteo 1.3-7), quando o apóstolo orienta Timóteo a combater os falsos mestres, cujo ensino incluía a ideia de que era possível alcançar maior espiritualidade se abstendo de algumas coisas, entre as quais estava o casamento (1 Timóteo 4.1-3). Lamentavelmente, algumas mulheres estavam seguindo esse falso ensino. Acerca destas, Paulo diz que estavam “seguindo Satanás” (1Timóteo 5.15). Porquanto, como ele mesmo diz em 1Timóteo 4.1, o ensino dos hereges era o mesmo que “doutrinas de demônios”.
            Mas, em que consistia esse falso ensino? Ao que parece, o falso ensino disseminado em Éfeso incentivava a inversão de papéis masculinos e femininos. Em resposta a essa heresia, Paulo ordenou que as viúvas mais novas se casassem (contrariando a proibição do casamento ensinada pelos hereges – 1Timóteo 4.3), gerassem filhos e cuidassem de suas casas (1Timóteo 5.14). Não fazer isso, ou seja, não exercer o seu papel de mulher, era o mesmo que se desviar e ir após Satanás (1Timóteo 5.15,16).
Outra evidência da heresia que se infiltrara em Éfeso, aparece em 1Timóteo 2.15, quando Paulo, a respeito das mulheres, declara: “salvar-se-á, porém, dando à luz filhos, se permanecer com modéstia na fé, na caridade e na santificação”. Ora, como um dos pontos principais do ensino dos falsos mestres era a proibição do casamento, naturalmente, estava implicada também a geração de filhos e o cuidado destes. Por isso, o apóstolo enfatiza o papel da mulher como mãe, destacando que a salvação da mulher não estava vinculada ao abandono do seu papel, como ensinavam os hereges, mas justamente ao exercício dele. Ela será salva dando à luz filhos, ou seja, ser salva não significa abrir mão daquilo que foi estabelecido por Deus antes da queda do homem. Afinal, se somos servos de Deus, buscaremos diariamente nos conformarmos à Sua vontade. E, de acordo com 1Timóteo 2.11-15, a vontade de Deus é que homem e mulher assumam os papéis que Ele lhes deu antes do pecado (1Timóteo 2.13). Se um dos dois abrir mão disso, será facilmente enganado pelo Diabo, tal como ocorreu com Eva. Porquanto, foi justamente por causa da negligência de Adão, como líder, que ela foi ludibriada pela serpente (1Timóteo 2.14).
            Lamentavelmente, o falso ensino que corrompia as mulheres da igreja de Éfeso também influenciava as cristãs coríntias, as quais se recusavam, inclusive, a usar o véu (1Coríntios 11.2-16). Esta peça do vestuário feminino representava, tanto na cultura judaica quanto na cultura grega, que a mulher que a usava estava debaixo da autoridade e da proteção de um homem, fosse o pai, o irmão mais velho ou o marido. Assim, toda mulher que fosse legitimamente casada, usaria o véu e seria reconhecida como uma mulher de bem. Contudo, encorajadas por uma interpretação equivocada do Evangelho, as mulheres de Corinto defendiam que, na Igreja de Cristo, esse tipo de submissão não existia mais. Por isso, se recusavam a usar o véu, e tentavam exercer autoridade doutrinária, julgando a palavra dos profetas (1Coríntios 14.29). Diante disso, Paulo orientou-as que, no julgamento dos profetas, ficassem caladas (1Coríntios 14.34), deixando tal tarefa a cargo da liderança masculina.
 Continua...
Pr. Cremilson Meirelles


Nenhum comentário:

Postar um comentário