quarta-feira, 28 de maio de 2014

ONDE ESTÃO OS PROMOTORES DA PAZ?

“Mas todas as coisas provêm de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Cristo, e nos confiou o ministério da reconciliação” (2Co 5.18).
            Algo que me inquieta quando olho para a igreja visível, ou seja, para o grupo de pessoas que professam a fé em Cristo, é o excesso de teoria e a escassez de prática. Versículos como o que citamos acima, são recitados, expostos e comentados, mas o “ministério da reconciliação” nem sempre é exercido. O que vemos é justamente o contrário: pessoas que deveriam amar, odiando o próximo, competindo por melhores posições na estrutura eclesiástica, desprezando o outro, amando mais a si mesmo do qualquer pessoa. É triste, mas muitos dos que estão arrolados em nossos róis de membros, ao enfrentarem conflitos, preferem evitar o contato com seus “desafetos” do que buscar a reconciliação. Assim, vemos no interior do templo, um lugar dedicado à adoração, atitudes que contrariam seu propósito, pois indivíduos que se auto denominam adoradores sentam em lados opostos, porque não querem relacionamento com uma determinada pessoa.
            Cristo nos concita a sermos pacificadores (Mt 5.9), porém muitos não estão preocupados com a promoção da paz. Porquanto, diante dos conflitos, a maioria prefere fugir. Um exemplo claro disso é o frequente abandono da igreja local por causa de problemas com algum membro ou com a liderança. Ao invés de tentar resolver a questão, a maioria opta por trocar de igreja. Isso acontece muito por ocasião da aplicação da disciplina, visto que nem todos estão dispostos a se submeter à correção de seu líder. Por isso, quando este disciplina o indivíduo, muitas vezes, o que ocorre é a troca de igreja ou o afastamento. Isto porque, embora muitos sigam a etiqueta evangélica e chamem seu líder de pastor, no fim, não querem ser pastoreados de verdade. O que querem é exercer atividades ao longo das programações da igreja, fazendo coisas que desagradam a Deus, mas sem sofrer nenhuma espécie de sanção disciplinar.
            Onde foram parar os promotores da paz? Por que, no interior dos templos evangélicos, há pessoas que não se falam? Por que alguns abandonam suas comunidades de fé por qualquer coisa? Por que, alguns, se não puderem cantar, tocar, pregar ou dirigir, ameaçam deixar a igreja? Por que não tentamos resolver os problemas ao invés de criá-los? Por que não respondemos aos conflitos de uma maneira diferente da que o mundo responde? A resposta é simples: mudamos nossos referenciais. A Bíblia há muito tempo deixou de ser regra. O alimento dos crentes vem da TV, com suas novelas e programas de humor cheios de pornografia. A regra agora é o que os tele pregadores e os cantores gospel dizem. É... precisamos voltar ao Evangelho; precisamos resgatar os princípios da reforma: só a Fé, só a Graça, só a Escritura, só Cristo e só a Deus Glória!     
Pr. Cremilson Meirelles

2 comentários:

  1. É muito mais fácil agir por conta própria do que seguir os ensinamentos bíblicos! Infelizmente é isso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É triste, mas a grande maioria age e pensa assim. Quem pensa e age diferente é criticado.

      Excluir