sábado, 3 de setembro de 2016

O QUE TE MANTÉM NA IGREJA? - PARTE II

Pastoral redigida para o Boletim Dominical da Primeira Igreja Batista em Manoel Corrêa

Conquanto nem todos admitam, há quem permaneça filiado a uma igreja local por causa da tradição familiar. Isto é, como a família sempre participou ativamente das programações de sua comunidade de fé, o indivíduo mantém essa prática, a fim de não decepcionar sua parentela. De igual modo, algumas dessas famílias fazem questão que, mesmo sem serem convertidos, seus descendentes permaneçam filiados à igreja e, inclusive, exerçam funções. Afinal de contas, conforme pensam alguns, “é melhor que eles sejam não convertidos na igreja do que fora dela”. Por isso, às vezes, vemos pessoas lutando para que pecadores inveterados, não regenerados, sejam mantidos no rol de membros e nos cargos que ocupam.
Por outro lado, há pessoas com motivações um pouco mais nobres, mas igualmente distantes do ideal bíblico. Refiro-me àqueles que, embora não tenham tanto prazer nas atividades de sua congregação, continuam frequentando, pois entendem que isto é necessário para garantir sua ida para o céu. Por essa razão, ainda que faltem a várias programações, nunca abandonam completamente sua congregação.
Seguindo essa linha, porém com interesses mais “mundanos”, alguns se mantêm assíduos com o objetivo de receber de Deus bênçãos materiais e ser protegido por Ele. Estes, normalmente, encaram os cultos como ritos que lhes proporcionarão o que almejam. A pregação e os demais elementos do culto são apenas detalhes, o mais importante é a bênção.
Além disso, há também aqueles que são motivados pelos eventos e programas promovidos pela igreja. Suas maiores preocupações são: se haverá alguém famoso presente, se ocorrerá algo diferente ou fenomenal, se haverá bastante entretenimento (teatro, comédia, danças, etc), e se muitas pessoas irão. Oração e estudo da Palavra, geralmente não os atraem. Por conseguinte, quando os eventos cessam, seus seguidores desaparecem.
Não obstante, creio sinceramente que existem cristão genuínos, que amam a Deus e Sua Palavra. Para estes, nada é mais importante do que servir ao Senhor. Por conta disso, têm prazer em evangelizar e se reunir com seus irmãos. Mesmo assim, não são perfeitos. Na verdade, estão num processo de aperfeiçoamento (Filipenses 1.6), chamado santificação (Hebreus 12.14). Por isso, ao longo da caminhada, é certo que falharão algumas vezes, mas nunca abandonarão seu Salvador, porque “ninguém pode arrebatá-las das mãos do Pai” (João 10.29). Assim, com eventos ou sem eventos, com a família ou sem a família, com bonança ou tribulação, eles seguem em frente, com os olhos fitos no Senhor Jesus, o autor e consumador da nossa fé (Hebreus 12.2).
  
Pr. Cremilson Meirelles
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário