quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

PODEMOS CHAMAR A ATENÇÃO DE DEUS?



Pastoral redigida para o Boletim Dominical da Primeira Igreja Batista em Manoel Corrêa
Resultado de imagem para chamar a atenção de deus

Muitas são as canções e pregações, na atualidade, que propagam a ideia de que é possível chamar a atenção de Deus para nós. Para a maioria isso parece normal. Até porque, o que muitos sabem da vida cristã e da Bíblia aprenderam nas músicas, e não nas Escrituras. Por conta disso, basta que a melodia seja agradável e que o cantor seja famoso para a letra ser considerada correta. A maior evidência disso é a resistência em aceitar que haja erros graves em grande parte das canções evangélicas, ainda que esses erros sejam biblicamente comprovados.
Todavia, voltando-nos para a questão principal deste texto, cabe-nos indagar: podemos chamar a atenção de Deus? É óbvio que não! Deus não está desatento! A Bíblia diz claramente que “os olhos do SENHOR estão em todo lugar, contemplando os maus e os bons” (Provérbios 15.3). O guarda de Israel nunca dorme (Salmo 121.4)! Não precisamos pedir que Ele olhe pra nós! “Porque, os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os seus ouvidos, atentos às suas orações” (1Pedro 3.12). Além disso, tentar chamar a atenção de Deus constitui um total desprezo pelos atributos do todo-poderoso. Afinal, Ele é onisciente, ou seja, sabe de todas as coisas. Conhece o nosso levantar, nosso assentar, e sabe exatamente o que pensamos (Salmo 139.1-5). Deus também é onipresente, isto é, está em todo lugar; como poderia, então, um ser onipresente não perceber o que acontece ao seu redor? Que loucura!
Pedir para Deus olhar para você com o propósito de que seus problemas sejam resolvidos, ou que sua vida seja próspera, é o mesmo que afirmar que, até o momento em que você “conseguiu chamar a atenção d’Ele”, a razão do seu sofrimento era a indiferença do Altíssimo. Ele não estava a fim de te ajudar, mas você o “convenceu” a fazê-lo, chamando Sua atenção. Quanta heresia! Deus não pode ser convencido por ninguém! Ele é totalmente livre! Faz o que quer na hora que quer! Suas ações se dão “segundo o conselho da Sua vontade” (Efésios 1.11). Isto fica bem claro em uma de Suas declarações a Moisés: “[...] terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia e me compadecerei de quem me compadecer” (Êxodo 33.19).
É bem verdade, entretanto, que, alguns, usando relatos bíblicos de pessoas que foram ao encontro de Jesus, como, por exemplo, a história de Zaqueu (Lucas 19.1-10), argumentam que é possível chamar a atenção do Cristo. Contudo, o que vemos, tanto no episódio de Zaqueu quanto em outras ocasiões, é que Jesus é quem chama a atenção de todos. Ora, Zaqueu só subiu na árvore porque o Filho de Davi estava passando; de igual modo, a “mulher do fluxo de sangue” só tocou na orla das vestes de Jesus porque foi atraída por aquilo que Ele podia fazer; o “cego de Jericó” só clamou por Cristo porque, mesmo que ele não enxergasse, o Filho de Deus chamou a sua atenção.
O grande problema é que as pessoas esquecem que o personagem principal dos evangelhos é Jesus Cristo, e não as pessoas que vão até Ele. Em todas as narrativas o foco está n’Ele. Ele chamou a atenção quando nasceu (Lucas 2.8-16), quando foi apresentado no templo (Lucas 2.22-38), quando, ainda criança, dialogou com os doutores (Lucas 2.42-52); Ele chamou a atenção ao longo de todo o seu ministério terreno, realizando curas e prodígios; chamou a atenção também quando foi crucificado (Marcos 15.39), e quando ressuscitou (João 20.19-28).
Ele é o personagem principal, não nós. Na verdade, de acordo com a Bíblia, somos “caco entre outros cacos de barro” (Isaías 45.9). Tudo o que temos e somos é resultado da graça divina (1Coríntios 15.10), não do nosso esforço em fazer o Senhor olhar para nós. Sem Ele não podemos fazer nada (João 15.5). Portanto, mesmo que as músicas e as pregações que ensinam o contrário sejam agradáveis aos ouvidos, nada mais são do que heresia, falso ensino, anátema. Nossa relação com Deus deve ser guiada por aquilo que Ele já revelou na Sua Palavra, e não por canções contemporâneas.
Pr. Cremilson Meirelles
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário