segunda-feira, 22 de junho de 2015

PODEMOS APRESSAR A VINDA DE CRISTO?

Pastoral redigida para o Boletim Dominical da Primeira Igreja Batista em Manoel Corrêa

Por incrível que pareça essa é uma pergunta que poucos fazem. Isto porque, a maioria das pessoas entende que a única resposta possível para esse questionamento é sim. Parece algo que todo mundo tem de saber e concordar. Existe inclusive uma frase muito comum, associada a esse pensamento, usada praticamente como se fosse um versículo bíblico: “Jesus só virá quando o Evangelho for pregado a todas as pessoas”. O interessante, entretanto, é que Jesus não disse isso. Em momento algum Ele condicionou sua vinda à pregação do Evangelho. Na verdade, sua declaração foi: “e este Evangelho do Reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então virá o fim” (Mateus 24.14). Isto é, mesmo que você desobedeça a Deus e não pregue, o Evangelho será pregado em todo o mundo. Foi o próprio Jesus quem disse isso!
Querido, Deus não depende de nós. Ele executa seus planos, soberanamente, independente da vontade humana. As ações humanas não podem frustrar aquilo que o todo-poderoso planejou (Jó 42.2). Essa ideia fica evidente quando avançamos um pouco mais na leitura do capítulo 24 de Mateus, pois Jesus declara que já há dia e hora determinados para a vinda do Filho do Homem (Mateus 24.36). Ainda que ninguém saiba, Deus já determinou esse dia. Não depende do nosso esforço. Deus não está dormindo ou atrasado. Ele virá no tempo que determinou. Afinal, como bem destacou Paulo, “quando chegar o tempo certo, Deus fará com que isso aconteça” (1Timóteo 6.15).
Contudo, muitos, baseados em 2 Pedro 3.11,12, argumentam que podem apressar o retorno de Cristo: “havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato e piedade, aguardando e apressando-vos para a vinda do Dia de Deus, em que os céus, em fogo, se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão”? Embora algumas versões tragam a expressão “apressando a vinda do dia de Deus”, creio que uma tradução mais próxima da ideia original seria “...desejando ardentemente a vinda...”. Até porque, o verbo grego traduzido como “apressando” também pode dar a ideia de “estar ansioso” ou “desejar ansiosamente”. De fato, esta deve ser a postura de todo cristão genuíno: desejar ansiosamente a vinda do dia do Senhor. Esse anseio, inclusive, foi incentivado por Jesus na oração do Pai nosso, orientando-nos a orar pedindo: “...venha o Teu Reino...” (Mateus 6.10). 
Essa visão concorda com o contexto da segunda carta de Pedro, a qual visava  combater o falso ensino apregoado pelo gnosticismo. No capítulo 3, esse combate gira em torno da expectativa cristã em relação à esperança pelo fim dos tempos. Porquanto, este era um dos pontos que os gnósticos tentavam enfraquecer com os argumentos destacados pelo apóstolo ao longo do texto. Em resposta aos hereges, Pedro ressalta que, ainda que quem quer que seja, duvide da segunda vinda de Cristo e do juízo final, o dia do Senhor enfim chegará, pois Deus é soberano. Com base nisso, o apóstolo incentiva os cristãos verdadeiros a viverem em santidade, desejando ardentemente a vinda do dia de Deus.  Assim, preguemos o Evangelho, não porque achamos que com isso podemos acelerar o retorno de Cristo, mas motivados pelo amor a Deus e ao próximo, entendendo que somos apenas instrumentos nas mãos do Senhor. Deixamos de lado o pensamento de fazer para receber. Afinal, como Jesus nos ensinou, “mais bem-aventurada coisa é dar do que receber” (Atos 20.35).    

                                                                     Pr. Cremilson Meirelles

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto, pastor! Infelizmente muitos se deixam levar por idéias gnósticas, sem nem perceber que essas idéias não são cristãs. Parece haver um consenso geral entre cristãos de que é possível acelerar o retorno do Cristo. Por mais que expliquemos o fundo gnóstico em tal propositura as pessoas não entendem, ficam até com o ego ferido. E essas reações revelam, em última análise, falta de humildade e conformidade com a Verdade quando Ela se apresenta.

    ResponderExcluir