domingo, 14 de julho de 2013

EU NÃO PROFETIZO SOBRE A SUA VIDA E NEM TE ABENÇÔO



É triste, mas mesmo depois de uma série de estudos versando sobre a temática “batalha espiritual”, os quais, na verdade, foram uma crítica aos erros desse movimento, percebo que, em minha igreja muitos ainda carregam os resquícios das heresias que lhes foram ensinadas pela mídia. Porquanto, ouço alguns ainda dizendo coisas do tipo: “é claro que isso não vai dar certo, você está profetizando que vai dar errado”; “temos de profetizar bênçãos sobre a vida de nossos irmãos”. Que absurdo! Só a Bíblia pode nos socorrer neste momento. Por isso, decidi reapresentar argumentos bíblicos contra essa doutrina maléfica.
1º A Escritura afirma categoricamente que “a profecia NUNCA foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo” (2Pe 1.21). Como poderíamos, então, “profetizar” aquilo que gostaríamos que acontecesse? Nossas palavras são mágicas?!? É óbvio que não. Crer nisso é o mesmo que crer que uma palavra como abracadabra tenha poder para realizar alguma coisa.
2º Em Ez 37, Deus, quando manda Ezequiel profetizar, tinha em mente a pregação da Palavra. Tanto, que, ao mandá-lo profetizar, Deus já diz imediatamente o que ele deveria pregar. “Profetiza sobre estes ossos, e dize-lhes: Ossos secos, ouvi a palavra do SENHOR” (Ez 37.4). Isto é, a mensagem é fornecida por Deus (Ez 37.5-7). Portanto, não há como duvidar de que profetizar é anunciar a mensagem divina. Sendo assim, profetizar sobre a vida das pessoas é antibíblico. Falar o que se pensa também não é profetizar. Até porque, o simples fato de dizermos que alguém está doente ou curado, ou que vamos ou não vamos conseguir algo, não significa que isso vá ou não acontecer. Isso é invenção do Diabo para te deixar com medo e te afastar da verdade bíblica.
3º Nenhum ser humano tem poder para abençoar o outro. Nem pastor, nem padre, nem sacerdote. Só Deus tem esse poder. Isto fica claro quando o Senhor diz a Moisés como Arão abençoaria o povo. Ele diz: “Fala a Arão, e a seus filhos dizendo: Assim abençoareis os filhos de Israel, dizendo-lhes: O SENHOR te abençoe e te guarde” (Nm 6.23,24). Veja bem, Deus diz que eles iriam “abençoar” o povo dizendo “o Senhor te abençoe”. Quem é que abençoa então, Deus ou o homem? É claro que é Deus. Eu não posso te abençoar, no sentido de transferir bênçãos espirituais.
4º Em Tiago 3.10, texto preferido dos defensores do “poder” das palavras, em momento algum o apóstolo diz que as bênçãos e maldições proferidas por alguém afetam outra pessoa no âmbito espiritual. Na verdade, quando lemos o versículo 9, percebemos que o que está em pauta é a prática de maldizer ou bendizer os irmãos, ou seja, falar mal ou falar bem uns dos outros. É contra os maldizentes que Tiago direciona sua crítica. Ele não está criando uma nova doutrina. Apenas afirma que não convém aos crentes que louvem a Deus com os lábios, e, em seguida, com a mesma boca falem mal dos irmãos.
Pense bem nessas palavras e abandone essa doutrina demoníaca, pois ela só vai te amedrontar e te afastar cada vez mais da Palavra que realmente tem poder, a Bíblia. Vamos orar e confiar no Senhor, pois Ele é o único que pode nos abençoar. Tire o foco do homem e da Palavra humana. Nem um nem outro pode te dar o que você realmente precisa. Só Jesus pode.

Pr. Cremilson Meirelles

Nenhum comentário:

Postar um comentário