sábado, 20 de julho de 2013

ALMA GÊMEA?


Existe em nossa sociedade uma ideia extremamente problemática e extrabíblica, que leva muitos a serem infelizes em seu relacionamento conjugal. Estou me referindo ao pensamento de que uma pessoa foi separada por Deus para nós, desde a eternidade, ou seja, uma alma gêmea, alguém com quem seremos extremamente felizes, basta que nos encontremos. Essa doutrina tem sido tema de muitos filmes, novelas e, até mesmo, livros. Há quem creia que enfrenta dificuldades em seu casamento porque se casou com a pessoa errada.
Entretanto, quando observamos de perto essa doutrina, percebemos que ela possui uma série de incoerências. Porquanto, se crermos assim, teremos que entender que os planos de Deus não são perfeitos, pois, embora Deus tenha criado uma pessoa especialmente para te fazer feliz, personalizada para você, existe a possibilidade de não encontrá-la. Ora, se é para você não encontrar, para quê criá-la? Além disso, se vocês não se encontraram, significa que nem você nem ela cumpriram o propósito de sua existência. Contudo, a Bíblia diz que o propósito de nossa existência é glorificar a Deus (Ef 1.5,6), logo essa visão está totalmente equivocada. Não existe esse negócio de que alguém foi criado sob medida para o outro. A única vez que isso aconteceu foi com Adão, quando Deus criou Eva especificamente para ele. Mas, mesmo assim, eles não ficaram isentos de problemas conjugais (Gn 3.12). Isso mostra que todo relacionamento tem dificuldades.
Muitos acham que seu casamento tem problemas porque não é de Deus. Será que isso está certo? Vejamos o que a Bíblia nos diz. Em Mt 19.3-6, vemos Jesus sendo abordado pelos fariseus acerca das questões relativas ao divórcio. Na ocasião, Jesus tira o foco do divórcio e aponta para o objetivo original de Deus, o casamento. Ele ressalta que no princípio Deus criou “macho e fêmea”, na sequência Ele diz: “[...] o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mt 19.6b). Ao observarmos esse texto, vemos que Jesus não está dizendo que há casamentos que são de Deus e outros que não são, mas está declarando que toda união matrimonial entre homem e mulher é de Deus. Até porque, ele é o instituidor do casamento. A preocupação de Jesus não era com a identidade dos cônjuges, mas com a continuidade do matrimônio, pois o que Deus ajuntou, na verdade, foi macho e fêmea, não “Joãozinho” e “Mariazinha”.
É óbvio que há escolhas que naturalmente vão te conduzir ao sofrimento. Por exemplo, se uma mulher decide casar com um homem violento, com um alcoólatra ou com um adúltero, certamente derramará muitas lágrimas. No entanto, as desavenças conjugais não podem ser atribuídas a um "erro do destino" ou de Deus. Até porque, se o seu casamento não é de Deus, isso significa que você tem que separar-se para que possa encontrar a "pessoa certa". Assim, Deus estaria contrariando a frase dita por Jesus: “o que Deus ajuntou não o separe o homem” (Mt 19.6b). Seria isto possível?

      Além disso, a doutrina da "alma gêmea" é de origem espírita, ou seja, totalmente estranha às Escrituras.  Até porque, o próprio Jesus disse que "no céu seremos como os anjos, que não se casam e não se dão em casamento" (Mt 22.30). Como então estaríamos unidos eternamente a outro ser? Portanto, a conclusão inevitável é que não há "almas gêmeas" que permanecerão unidas pela eternidade.

Pr. Cremilson Meirelles

Nenhum comentário:

Postar um comentário